Nome: Magnésio (Mg)

O que é e como impacta o organismo: Magnésio é um mineral essencial e seu consumo insuficiente tem efeitos prejudiciais para a saúde. Ainda assim, se estima que mais de 60% da população não consuma a quantidade mínima necessária, sendo o segundo micronutriente de maior déficit em países desenvolvidos.

A deficiência de Magnésio está associada a sintomas cardiovasculares, como o aumento de pressão arterial e arritmias cardíacas, e alterações metabólicas como resistência à insulina e outros sintomas de diabetes pré-diabetes. A deficiência também tem associação com efeitos comportamentais como depressão e ansiedade.

Estudos demonstraram que o reestabelecimento dos níveis adequados de Magnésio no organismo está associado à pequena mas significativa redução das alterações cardiovasculares e metabólicas. Níveis adequados de Magnésio estão também associados à proteção contra depressão e déficit de atenção e hiperatividade.

Poucos estudos descrevem efeitos positivos ou neutros da suplementação com Magnésio na performance física de atletas. Contudo, são necessários mais estudos pois a falta de consistência e significativa variabilidade nas abordagens e populações estudadas atualmente  impede uma análise sistemática.

Consumo diário recomendado:  

  • As quantidades de Magnésio diárias recomendadas pelo Food and Nutrition Board da Academia Americana de Ciências são:
    • Idade 19-30 anos: 400mg para homens e 310mg para mulheres;
    • Idade 31 ou + anos: 420mg para homens e 320mg para mulheres.

 

Como consumir:

Não existe um único alimento rico em Magnésio que garanta seus níveis adequados se consumido isoladamente, sendo necessária uma dieta balanceada e rica em alimentos  como folhas verdes como espinafre, nozes, legumes, sementes, cereais não refinados e tofu. Água com maior conteúdo mineral (dureza) também possui magnésio em maior quantidade.

A tabela a seguir lista alimentos e seu teor de Magnésio (em mg) e o % que as quantidades indicadas representam do valor diário (v.d.) recomendado para consumo de homens e mulheres:

mg (1)

 

Suplementação:  

O Longety estimula o consumo de uma alimentação baseada em vegetais na suas formas não processadas ou refinadas (integrais) antes de optar por suplementos nutricionais. Embora os atuais padrões alimentares da população em geral e a incidência de deficiências de micronutrientes estimulem o consumo de suplementos, a suplementação de nutrientes deve ser considerada apenas quando os níveis adequados não possam ser alcançados com mudanças na alimentação – que repercutem positivamente também sobre outros parâmetros – ou em populações em condições que impeçam esta abordagem ou ainda para o reestabelecimento acelerado dos níveis desejados. É importante ressaltar que o uso de suplementos sem necessidade também pode causar efeitos nocivos à saúde.

Existem diversas formas de Mg, mas é necessário cuidado na escolha pois algumas algumas além de muito baixa absorção e biodisponibilidade, são laxativas. Magnésio quelado (associado à aminoácidos) é a forma mais facilmente absorvida e encontrada em alimentos naturais e em alguns suplementos:

  • Oxalato ou óxido de Magnésio: pouco absorvido e laxativo. Encontrado em suplementos isolados de baixa qualidade ou, quando associado à suplementação de Cálcio, com o objetivo de compensar os efeitos constipatórios deste último;
  • Citrato de Magnésio: é a forma mais comum de suplemento, devido ao baixo custo. Melhor absorção, mas ainda baixa;
  • Glicinato e Di-glicinato de Magnésio: facilmente absorvido e com menor efeito laxativo.

 

Segurança:

Se consumido como suplemento, deve ser ingerido com as refeições e nas formas mais biodisponíveis. Não exceder 350mg por dia de suplementação pois, mesmo que em quantidades menores que o ideal, todos absorvem Mg na dieta e os níveis somados podem trazer efeitos indesejados.

A absorção de Magnésio no intestino é regulada pela necessidade do organismo. Doses excessivas de Magnésio em formas que não são eficientemente absorvidas podem causar desconforto intestinal e diarréia graças à ação direta no trato digestório.

Este composto é considerado seguro dentro das doses recomendadas. Contudo, caso você use medicamentos ou esteja grávida ou amamentando, é sempre bom conversar com seu médico.

Mais informações: 

 

O propósito deste post é educar e ajudar você a fazer escolhas conscientes em relação à sua saúde. É importante ressaltar que nós avaliamos muitos estudos científicos e embasamos nossa análise nas evidências mais robustas e atuais disponíveis, mas muitas variáveis podem influenciar o impacto do consumo de alimentos e suplementos e de atividades físicas. Estes aspectos incluem desde características metabólicas individuais até a qualidade do produto consumido e sua estabilidade. Além disso, o impacto social e ambiental do processamento de alimentos e suplementos deve ser considerado.

2 pensamentos

  1. Como consumir a semente de abóbora como fonte de magnésio? Ela mantém as propriedades se for torrada no forno, por exemplo?

    Curtir

    1. Sementes de abóbora são ótima fonte de magnésio: uma porção de cerca de 30g tem 150 mg de magnésio. Além disso, tem gorduras saturadas naturais, poli e monoinsaturadas. E tem ainda uma proporção de ômega 6: ômega 3 super saudável. Para não exagerar na ingesta calórica (e no sal que muitas vezes vem junto), recomendamos combinar uma porção de sementes de abóbora com outros alimentos ricos em magnésio.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s